A


a não, partícula de negação.

Abháva: impossibilidade, inexistencia.

Abhaya: destemor, sentimento  de segurança, nome de um mudrá.

Abhinivesha: medo da morte, apego à vida: um dos klesha,as misérias existencias

Abhseka: nome de um mudrá.

Abhyása: aplicação, exercício diário, entusiasmo pela prática.

Abhyási: praticante entusiasta.

Áchára: conduta, costume.

Acharya: instrutor, professor.

Adhama: respiração abdominal, um dos tres estágios na prática do pránáyáma.

Adhára: suporte, região abdominal

Adharma: vício, pecado, transgressão do dever.

Adhavásana: nome de um ásana.

Adhibhautika: sofrimento provocado por outrem.

Adhidaivika: miséria, dor advinda de circunstâncias exteriores:elementos atmosféricos e influencias planetárias.

Adhimátra: superior

Adhisthana: base, assento.

Adhyátma: interno, interior, relativo a si mesmo.

Adhyátmika: sofrimento mental,insatisfação, desagrado.

Ádi (ou ády, quando seguido de vogal): primeiro, primordial.

Adrishta: invisível.

Adwa: inclinado.

Adwaita: não dualista. Filosofia monista: o Vedánta.

Adwásana: nome de um ásana.

Ádyásana: nome de um ásana em pé.

Ágama: testemunho, revelação. Escrituras nas que Shiva ensina as técnicas de Yoga à sua esposa Shaktí. Também designa os manuais do culto vedico.

Agni: um dos pañchatattwa: o elemento fogo.

Agnisára: um tipo de purificação, também chamado vahnisára dhauti. ver vahnisára.

Aham: eu.

Ahamkára: auto-referencia: é referir-se ao Eu e suas manifestações, identificando-se com elas. Na teoria dos tattwa designa o eu nocional, a massa unitária aperceptiva.

Ahimsá: não violencia. Um dos cinco Yama, preceitos de conduta do Yoga de Pátañjali.

Ajapa japa: o japa que não é japa, mantra do som da respiração:so’ham.

Ájña: comando.

Ájña chakra: centro de força situado no intercílio.

Ákásha: o elemento éter. Designa o espaço sutil onde estão armazenados todos os conhecimentos e feitos da humanidade, desde seus primórdios. Corresponde ao inconsciente coletivo de Jung.

Alamba: suporte, apoio.

Alambushá: uma das mais importantes nádí. Estende-se desde o kanda, no abdomen, até boca.

Alapadma: flor de lótus desabrochando. Nome de um mudrá.

Alasa: lento, lânguido.

Alasya: inatividade, ócio, imobilidade.

Amarakosha: dicionário sânscrito clássico.

Amarasimhah: autor do Amarakosha. Viveu entre os séculos I a.C. e IV d.C.

Amarolí: uso da urina com fins terapeuticos.

Amávasyá: lua nova, eclipse.

Amrita: imortal, néctar, ambrósia,elixir, semen.

Anáhata: não batido. Nome do chakra cardíaco.

Ánanda: bem-aventurança, felicidade suprema.

Ánandalaharí: poema esotérico do tantrismo.

Ananta: o infinito.

Anavasthitattwa: instabilidade.

Anga: parte, membro, etapa.

Angula: dedo.

Angushtha: dedo maior ou ponta do pé.

Angusthásana: nome de um ásana de equilíbrio.

Añjali: saudação. Outro nome do     pronam mudrá.

Amnamáyákosha: o corpo físico denso.

Antahkarana: instrumento interior, psiquismo. É o conjunto das qualidades físicas responsáveis pelas experiencias pessoais do homem. Segundo a Sámkhya Káriká, o antahkarana compreende o Eu (ahamkára), a inteligencia superior (buddhi) e o pensamento (manas). Em outra acepção, mais

discutível, alguns autores utilizam a  palavra para referir-se aos órgãos internos.

Antar ou antara: interno, interior.

Antar dhauti: alvagem dos órgãos internos.

Antaránga: membros internos. Designa os últimos tres estágios do Yoga: dháraná, dhyána e samádhi.

Antarmurkhi: olhar para o interior. Introversão. O precesso ascendente da reabsorção dos tattwa na Prakriti, oposto a Bahimurkhi, (olhar para o exterior) a emanação da manifestação.

Anuloma: encadeado, conectado, na ordem natural. Nome de um pránáyáma.

Apána: alento vital descendente, localizado no baixo ventre e na parte inferior do tronco, responsável pelos processos de excreção.

Apara: inferior.

Aparigraha: não possessividade, desapego; um dos cinco yama do Yoga Clássico.

Ápas ou jála: o elemento água.

Aprakasha: escuro, fosco.

Arala: gancho. Nome de um mudrá.

Áranyaka: Livros da Floresta, coleção de textos filosóficos contemporâneos das Upanishad. foram compostos entre os anos de 700 e 500 a.C.

Ardha: meio, metade. Designa o nível médio de dificuldade dos exercícios físicos.

Ardhachandra: meia lua. Nome de um mudrá.

Ardhanaríshwara: aspecto andrógino de Shiva, metade homem, metade mulher.

Arjuna: herói da Bhagavad Gitá.

Árya: grupo étnico que povoou o subcontinente indiano, provindo da estepe eurasiana.

Asamprájñata: supracognitivo, último grau de samádhi. É o mais elevado estado de hiperconsciencia, no qual o yogin atinge a condição de jívanmukta, liberado vivo, penetrando na essencia do seu próprio Ser e

estando totalmente incondicionado.

Asamyukta hasta mudrá: gestos feitos com uma mão só.

Ásana: exercícios psicofísicos do Yoga.

Áshram ou áshrama: comunidade de praticantes de Yoga. Uma das etapas da vida de um brahmana.

Ashta: o número oito.

Ashtánga: oito partes ou membros. Nome do Yoga de Pátañjali.

Ashuddhi: impuro. Estado no qual a consciencia é dominada pela miséria existencial (klesha).

Ashwa: cavalo.

Ahwiní: égua. Contração ritmada dos esfíncteres do ânus e da uretra.

Asmitá: o egotismo. Uma das aflições humanas, obstáculo ao samádhi. Segundo o Yoga Sútra, é a incapacidade de distinguir entre chitta e Purusha, a consciencia e o Ser.

Asteya: não roubo. Um dos cinco yama, preceitos éticos do Yoga.

Asura: um demonio.

Atharva Veda: um dos quatro Veda. O Atharva Veda é uma recopilação análoga ao Rig Veda,

porém mais tardia, de caráter mistico e especulativo que poderia ser considerada pré tântrica.

Átmabodha: conhecimento metafísico.

Átman: eu, ánima, alma.

Aurobindo Ghose (1872-1950): Mestre que buscava na tradição da Índia antiga (especialmente no

Veda) uma nova concepção do homem.

Avabhdabhúmikatwa: Impossibilidade de perceber a realidade devido à movimentação constante dos vritti, os turbilhões da consciencia.

Avahittha: nome de um mudrá.

Avakásha: espaço, intervalo, alcance, campo de ação.

Avastha: os quatro estados de consciencia: vigília, sono, sonho e turíya.

Aviddhavara: nome de um mudrá.

Avidyá: não saber. Ignorância, incultura. O maior dos obstáculos ao samádhi, pois é nele que se originam todos os outros, conforme o Yoga Sútra.

Avirati: sensualidade.

Avyakta: não manifestado.

Áyáma: expansão, extensão, dimensão, comprimento, controle.

Ayurveda: sistema de medicina baseado no conhecimento vedico.


B


Bádarayana (circa 200 a.C.), fundador do sistema Vedánta, sistematizados do Veda e autor do Brahma ou Vedánta Sútra.

Baddha: ligado, entrelaçado, condicionado.

Bahiranga: membros externos do Yoga. São os cinso primeiros estágios do Pátañjala Yoga: yama, niyama, ásana, pránáyáma e Pratyáhára, chamados assim por oposição aos internos: dháraná, dhyána e samádhi.

Bahiskrita: exterior, por para fora.

Bahiskrita dhauti: lavagem retal.

Báhu: braço.

Báhupádásana: um ásana muscular.

Báhuvartenásana: nome de um ásana.

Báhya: externo.

Bána: flecha, um demonio. Nome de um mudrá.

Banchea: bambu.

Bancheásana: nome de um ásana de flexão para trás.

Bandha: fecho. Contração de órgãos, plexos ou glândulas.

Bandha traya: contração tríplice. Exercício de contração da garganta, o abdomen e os esfíncteres, simultaneamente.

Basti: ver vasti.

Bhadra: virtude, virtuoso.

Bhadrásana: nome de um ásana de abertura pélvica.

Bhagavad Gitá: poema épico do século II d.C., inserido tardiamente no Mahabhárata, escrito em forma

de diálogo entre Krishna e Arjuna onde expõem-se o Karma Yõga, o Jñána Yoga e o Bhakti Yoga.

Bhagawan: sagrado.

Bhairava: o terrível, um dos nomes de Shiva.

Bhairaví: aquela que aterroriza. Outros nomes de Shaktí, a esposa de Shiva.

Bhajan: cântico popular de louvor.

Bhakta: devoto, participante.

Bhakti: devoção.

Bhakti Yoga: Yoga devocional.

Bhárata: nome original da Índia. Literalmente, significa homem.

Bhása: brilho

Bháshya: comentário, linguagem.

Bhastriká: fole. Nome do pránáyáma do sopro rápido.

Bháti: luz.

Bháva: estado de contrição, amor sentimento. Inclinação, intenção, existencia.

Bhávan: imaginação, reflexo, percepção.

Bhávana: concentração.

Bhaya: medo.

Bheda ou bhedana: atravessar, perfurar.

Bhega: rã.

Bhegásana: nome de um ásana.

Bherunda: terrível. Pássaro mitológico de duas cabeças. Nome de um mudrá.

Bhid: atravessar, perfurar.

Bhoga: experiencia, gozo.

Bhrámára, bhrámári ou bhrámárín: abelha; nome de um pránáyáma e de um exercício de pratyáhára, retração dos sentidos.

Bhrúmadhya drishti: exercício de fixação ocular que consiste em localizar o olhar no ponto entre as

sobrancelhas.

Bhúcharí: um drishti, exercício de fixação ocular.

Bhuja: flexionar. Também significa braço ou ombro.

Bhujagí: outro nome da força kundaliní.

Bhujánga: serpente naja.

Bhujángásana: nome de um ásana.

Bhúmi: objeto de meditação, assunto, caráter, terra.

Bhupura: cidadela, o quadrado de linhas de força que circunda alguns yantra, símbolos utilizados para meditação.

Bhúta: elemento. Os cinco elementos densos: éter (ákásha), ar (váyu), fogo (fogo), água (apas) e terra (prithiví).

Bhútendriya: os órgãos dos sentidos, através dos quais obtém-se o conhecimento da realidade. Também designa os dois aspectos de drishya, o mundo que pode ser conhecido.

Bhuvana: Humanidade, mundo.

Bíja: semente; nome dos mantra monossilábicos que ativam os centro de força.

Bindu: ponto. O centro a partir do qual se expande o Universo. O lugar em que se unem todas as formas de manifestação de Prakriti. Na linguagem tântrica designa o semen.

Bodhichitta: consciencia do despertar.

Brahma: na mitologia, o criador do universo.

Brahmacharya: continencia, celibato. Um dos cinco yama do Rája Yoga. Sistema comportamental patriarcal, anti-sensorial e repressor, oposto ao Tantra.

Brahmadwára: o ponto pelo qual kundaliní entra na sushumná nádí.

Brahmagranthi: nó de Brahma, primeiro dos tres granthi situado no múládhára chakra.

Brahman: o mesmo que Purusha, o Ser, a Consciencia Suprema.

Brahman ou brahmana: membro da casta sacerdotal.

Brahmana: tratados rituais escritos pelos sacerdotes vedicos entre 1000 e 800 a.C. que contém o mito

genésico de Prajápati, o homem primordial.

Brahmanádí: canal de Brahma. Outro nome de shushumná nádí, que corre ao longo da coluna vertebral.

Brahmarandhra: orifício de Brahma. Ponto sobre o qual o yogin exerce samyama, no centro do cérebro ou no tálamo. Enquanto alguns autores consideram este vocábulo sinonimo de shushumná, para outros ele é a extremidade superior desta nádí.

Brahmi: alfabeto de origem desconhecida, utilizado para transcrever o sânscrito vedico.

Buddha: acordado, desperto.

Buddhi: inteligencia universal, intuição linear, intelecto supra individual.


 

C


Chaitanya: consciencia.

Chakra: roda; centros de força do corpo sutil. Nome de um mudrá.

Chakrásana: nome de um ásana de flexão para trás.

Chakshu: visão, olhos.

Chakshu dhauti: purificação dos olhos. Ablução.

Chalana: pé.

Chalanásana: nome de um ásana.

Chandogya: uma das Upanishad.

Chandra: lua.

Chandrakala: lua crescente. Nome de um mudrá.

Chandrásana: nome de um ásana de flexão lateral.

Charaka: monge mendicante.

Chatura: quadrado, o número quatro. nome de um mudrá.

Chaturánga: em quatro partes; ritmo de partes iguais, utilizado em alguns exercícios respiratórios.

Chatuspádásana: nome de um ásana muscular.

Chela: discípulo.

Chin: nome de um mudrá.

Chinmaya: espiritual.

Chit: perceber, conhecer, pensar, recordar, descobrir.

Chitriní: terceiro invólucro da shushumná nádí.

Chitta: o corpo consciente, o psiquismo, a consciencia. Segundo a metafísica sámkhya, manas, a mente como sede dos pensamentos e das idéias é apenas um dos componentes que constituem a consciencia

(chittabhúmi).

Chittabhúmi: os elementos constituintes da consciencia, a própria vida consciente.

Chittavritti: as instabilidades da consciencia.

Chola: espartilho.


D


Darkshina ou dakshinah: direito.

Darshinacharatantrika:tantrismo branco, ou da mão direita.

Dama: controle dos sentidos.

Danda: bastão, cetro, vara.

Danta: dente, marfim.

Danta dhauti: purificação dos dentes.

Danta mula dhauti: purificação da raiz dos dentes.

Darshana: ponto de vista. Nome genérico das seis escolas filosóficas aceitas pelo hinduísmo ortodoxo. Os darshana apresentam diferentes interpretações da realidades, tendo como objetivo comum o acesso à liberdade. Os darshana formam tres pares complementares: Yoga e Sámkhya, Nyáya e Vaisheshika, e Mímánsá e Vedánta.

Dáurmanasya: desespero.

Dehi: ser.

Deva ou devatta: deus, divindade.

Devadasí: prostituta do templo.

Devadatta: presente dos deuses. Um dos prána, ares vitais, responsável pelo bocejo.

Devanágarí: escrita dos deuses; o alfabeto sânscrito.

Devi: deusa.

Dhamaru: tambor em forma de ampulheta usada por Shiva em suas danças.

Dhanu ou dhanura: arco.

Dhanurásana: nome de um ásana de retroflexão.

Dháraná: concentração que antecede o estado de meditação, sexto anga do Yoga de Pátañjali.

Dháranásana: nome de um ásana sentado.

Dháraní: o suporte sobre o qual se pratica samyama.

Dharma: justiça, lei humana ou social, oposta ao karma, lei universal.

Dhauti: grupo de técnicas de purificação das mucosas e os órgãos internos.

Dhenu: vaca.

Dhirga: longo

Dhridhata: força.

Dhyána: meditação através da detenção da turbulencia da consciencia na contemplação de um objeto.

Dhyánásana: nome de um grupo de ásana específicos para meditação.

Dhyánasthána: suporte para a meditação.

Dívya: adjetivo de deva, divino. Designa o homem mais altamente qualificado para as práticas do

tantrismo.

Dola: balanço, oscilação. Nome de um mudrá.

Dolásana: nome de um ásana.

Dradhásana: nome de um ásana.

Drashta: testemunha, consciencia.

Drishti: grupo de exercícios de fixação ocular.

Drishya: possui tres sentidos diferentes: introspeção, consciencia, ou o mundo sensível.

Drsh ou drs: ver.

Dugdha neti: kriyá de limpeza das fossas nasais que se faz utilizando leite morno.

Duhkha: dor, miséria existencial, mediocridade, conformismo, fraqueza. Um dos obstáculos ao samádhi.

Duhkha traya: tripla miséria existencial, ponto de partida do Sámkhya: o sofrimento próprio, aquele provocado por outrem e a miséria advinda de circunstâncias externas.

Durgá: um dos nomes de Shaktí, a esposa de Shiva.

Dwa ou dwi: o número dois.

Dwahasta: duas mãos.

Dwahastásana: nome de um ásana de anteflexão.

Dwaita: filosofia dualista: o Sámkhya e o Tantra.

Dwapáda: dois pés.

Dwapádashírsha: com os dois pés na cabeça ou próximo dela.

Dwapádadhírshásana: ásana de anteflexão.

Dwesha: aversão, desagrado. Uma das aflições humanas (klesha)


 

E


Eka: o número um.

Ekagra: atenção concentrada em um ponto determinado.

Ekagratá ou ekagrya: grupo de técnicas de fixação da atenção em um ponto só.

Ekahasta: uma mão.

Ekapáda: um pé.

Ekapádásana: nome de um ásana de anteflexão.

Ekapádashírsha: com um pé na cabeça ou perto dela.


 

G


Gada: elefante.

Gajadanta: marfim.

Gana: nos Purána, coorte de demonios, duendes e coribantes que seguem Shiva.

Ganapati: senhor dos gana. Outro nome de Ganesha.

Gandha: odor.

Gándhárí: canal de bioenergia que vai desde o centro do corpo sutil,  chamado kanda, até o olho esquerdo.

Gandharva: ser celestial, da coorte de Shiva.

Ganesha: na mitologia, o filho de Shiva, guardião das portas, senhor dos obstáculos e chefe do exército de Shiva. Ganesha é a personificação dos mistérios do Tantrismo, senhor da sabedoria e da prosperidade.

Gangá: o rio Ganges. Na mitologia, a deusa do rio homonimo.

Garbha: embrião, feto, criança.

Garbhásana: nome de um ásana.

Gáruda: pássaro mítico que serve de veículo a Vishnu. Nome de um mudrá.

Gárudásana: nome de um pasana de equilíbrio.

Gáyatrí: mantra de 24 sílabas: OM bhur bhuva swaha OM tat sávitura varenyam bhargo devasya dhimahi dhyo yo nah prachodayato.

Ghata ou ghatam: pote, o corpo. Um instrumento de percussão.

Gheranda: Mestre de Yoga, autor do Gheranda Samhitá, texto onde descrevem-se técnicas de Yoga

tântrico.

Ghí: manteiga clarificada.

Ghrána: olfato.

Ghrita neti: limpeza das fossas nasais com manteiga clarificada.(ghí).

Gítá: canção.

Go: vaca.

Gokarna: orelha de vaca.

Gokarnásana: nome de um ásana.

Gomukha: cara de vaca. Instrumento musical, semelhante a uma cabeça de vaca.

Gomukhásana: nome de um ásana.

Gopa: vaqueiro.

Gopi: vaqueira.

Gorakshanatha: discípulo de Matsyendranatha e criador do Hatha Yoga (pressupõe-se que tenha vivido e ensinado entre os séc. IX e XII d.C.). Foi o autor do primeiro tratado sobre o tema, hoje perdido.

Gorakshasataka: texto hindu.

Gotra: família, raça.

Govinda: na mitologia, uma das encarnações de Vishnu.

Gra: poderoso, nobre.

Graha: órgãos de apreensão: as mãos.

Granthí: nó.

Gríva: pescoço.

Grívásana: nome de um ásana de equilíbrio sobre a cabeça.

Gu: escuridão.

Guna: atributo. Os estados da realidade, as tres formas de manifestação que assume Prakriti, definindo por interação o Universo manifestado. Os guna são tres: tamas, rajas, e sattwa.

Gunatraya: o conjunto dos tres guna. As modalidades assumidas pela Prakriti (Natureza): tamas (inércia, inatividade), rajas (ação, movimento) e sattwa (harmonia, equilíbrio).

Gup: escondido.

Gupta: secreto

Gupta vidyá: aprendizado secreto, iniciático.

Guptásana: um ásana sentado.

Guru: Mestre de qualquer disciplina.

Guruseva: serviço ao Mestre.


 

H


Hala: arado.

Halásana: nome de uma invertida sobre os ombros.

Ham: som semente do vishuddha chakra.

Hamsa: cisne. Designa o princípio vital da respiração. Ver so’ham.

Hamsapaksha: asa de cisne. Nome de um mudrá.

Hamsásana: nome de um ásana de flexão para frente.

Hamsasya: cabeça de cisne. Nome de um mudrá.

Hanuman: o deus-mono, um dos heróis do Rámáyána, épico hindu.

Hanumanásana: nome de um ásana de abertura pélvica.

Harappá: importante centro urbano da civilização do Vale do Indus, no atual Paquistão.

Hare: outro nome de Vishnu.

Hari-Yupiya: nome vedico da cidade de Harappá.

Hasta: mão.

Hastárga: dedo.

Hastásana: nome de um ásana.

Hastaswástika: mãos cruzadas.

Hastijihvá: uma das principais nádí, vai desde o kanda, centro do corpo sutil, até o olho direito.

Hastina: elefante.

Hastinásana: nome de um ásana de descontração em pé.

Hata: estupro, assassinato.

Hatha: violencia, esforço, que está contra a inclinação natural. Não confunda com hata!

Hatha Yoga: método de Yoga tântrico surgido no período  medieval, baseado no esforço físico extremo.

Heshtikásana: nome de um ásana.

Himsá: violencia.

Hindí: língua vernácula falada hoje em

dia na Índia.

Hrid:coração, a região do peito. Saudação com a mão no peito.

Hrid dhauti: purificação da região do coração.


 

I


Ichchha: força de vontade.

Idá: um dos principais canais energéticos do corpo sutil, de polaridade lunar ou negativa. Ascende ao longo da coluna, desde o múládhára chakra até a narina esquerda nos homens, e a direita nas mulheres.

Idásana: nome de um ásana de meditação.

Indra: deus do raio, rei dos deuses do panteão vedico.

Indriya: faculdades dos sentidos: audição, tato, visão, paladar e olfato.

Indriyajaya: domínio dos sentidos.

Isá Upanishad: uma das  Upanishad que citam o Yoga.

Ishta devatá: no Bhakti Yoga, a divindade de culto pessoal.

Íshwara: senhor. Modelo arquetípico do praticante de Yoga. Nas interpretações teístas, quase sempre tardias, do Sámkhya e do Yoga Sútra, íshwara adquire o status de deus supremo. Na metafísica tântrica, íshwara aparece identificado com o bindu.

Íshwara pranidhána: quinto preceito (niyama) do Yoga, a entrega a íshwara, o modelo exemplar. A prática de íshwara pranidhána consiste em tomar esse modelo como objeto de meditação para obter samádhi. Em uma interpretação teísta, íshwara pranidhána significa entregar as ações e seus frutos a uma vontade superior à própria.

Íshwarakrishna (séc I ou II d.C.): autor do Sámkhya Káriká, principal e mais antiga obra conhecida da escola Sámkhya, embora este sistema filosófico já existisse muito antes dele.


 

J


Jagat: aquele que se move: o mundo.

Jaimini: célebre sábio e filósofo indiano.

Jaina: adepto ao jainismo, movimento filosófico e religioso de reação contra o hinduísmo, contemporâneo do budismo.

Jala: o elemento água.

Jala vasti: lavagem intestinal feita com água.

Jalándhara: contração da garganta, pressionando o queixo contra o esterno.

Jambudwípa: ilha da flor da macieira. Um dos sete continentes que circundavam o monte Meru, o eixo do mundo na cosmogonia hindu. Nome antigo da Índia.

Jánu: joelho.

Januhasta: com as mãos nos joelhos.

Janurásana: nome de um ásana.

Janúrdhwa: com um ou ambos os  joelhos elevados.

Jánúrdhwásana: nome de um ásana.

Jánushírsha: com a cabeça perto dos joelhos.

Jánushírshásana: nome de um ásana.

Japa: repetição verbal ou mental de

um mantra sem melodia.

Jathara: estomago.

Játi: nascimento, casta.

Jaya: vitória, interjeição de saudação.

Jihva: língua.

Jíva: homem, ser vivo.

Jívana: vida.

Jívanmukta: o liberado vivo, aquele que alcançou a libertação pelo Yoga.

Jívanmukti: o mesmo que jivanmukta.

Jívátman: pessoa, eu individual.

Jñána: conhecimento. Nome de um mudrá.

Jñanendriya: as cinco faculdades sensoriais ou órgãos de percepção: olhos (chakshu), ouvidos (shrotra), nariz (ghrána), língua (rasana) e pele (spárshana).

Jyoti: luz.

Jyotirdhyána: técnica de meditação na luz.


 

K


Kailasha: montanha no himalaya, lar de Shiva.

Kaivalya: isolamento, libertação através do samádhi.

Káka ou káki: corvo.

Kákásana: nome de um ásana.

Kála: negro. Tempo, estação.

Kali: conflito, ferro.

Kálí: negra, a devoradora do tempo (kála). Uma das manifestações de Shaktí, esposa de Shiva.

Kali yuga: era dos conflitos. Momento atual da Humanidade.

Kalpa: preceito, dissolução ou aniquilação do mundo, um dia na vida de Brahma, período de 4:320.000 anos.

Kalpaná: arranjo, composição.

Káma: Eros, o deus do amor. Desejo, prazer, regozijo.

Kamala: a flor de lótus.

Kamalásana: outro nome do padmásana.

Kámamáyákosha: corpo feito de sentimentos. Na fisiologia sutil, designa o corpo astral ou emocional.

Kanda: centro do corpo sutil, ponto de partida das nádí, localizado no abdomen.

Kandásana: nome de um ásana.

Kandharásana: nome de um ásana.

Kapála: crânio.

Kapálabháti: crânio brilhante. Nome  de um pránáyáma, também catalogado como kriyá.

Kapálarandhra dhauti: um kriyá de lavagem dos seios frontais.

Kapálásana: nome de um ásana de inversão sobre a cabeça.

Kapha: humor aquoso, fleuma. Um dos tres humores corporais da medicina ayurvedica.

Kapi: macaco, mico.

Kapila: codificador do Sámkhya e autor do Sámkhya Sútra.

Kapittha: árvore dos macacos. Nome de um mudrá.

Kapodásana: um ásana de retroflexão.

Kapota: pombo. Nome de um mudrá.

Kára: fazer.

Karana: os órgãos relacionados ao conhecimento, vontade ou emoção. Também significa causa, conduta, atitude.

Karana sháríra: corpo etérico.

Karaní: corpo.

Karapatri: serra.

Karma ou karman: ação, fazer. O resultado das ações. Lei de causa eefeito.

Karma Yoga: Yoga da ação desinteressada, que visa a realização através da ação, sem considerar o seu resultado.

Karmaphala: resultado das ações.

Karmashya: o conjunto das impressões, ações, desejos e pensamentos passados.

Karmendriya: os cinco órgãos de ação: voz (vák), mãos (páni), pés (páda), órgãos reprodutores (upashta) e excretores (páyu).

Karna: ouvido, orelha.

Karnapida: com os pés perto das orelhas.

Karnapidásana: nome de um ásana.

Kartaka: carangueijo. Nome de um mudrá.

Kartarí: tesoura; nome de um mudrá.

Karuna: piedade.

Kataka: bracelete, corda, elo de uma corrente. Nome de um mudrá.

Katakamukha: abertura da pulseira Nome de um mudrá.

Katikásana: nome de um ásana muscular.

Kaula: a mais célebre escola do tantrismo negro ou da mão esquerda, fundada por Matsyedranatha por volta do séc. x d.C.

kaula: membro de um kula

Kaulachara Tantra: ensinamentos da escola Kaula, do tantrismo da mão esquerda.

Kaurava: descendentes dos Kuru. Uma das famílias beligerantes no Mahabhárata.

Kaya: corpo.

Kayika: relativo ao corpo.

Kena: uma Upanishad.

Kevala: puro, só, absoluto.

Kevala kúmbhaka: retenção pura, sem inspiração ou exalação. O kevala kúmbhaka acontece no estágio mais avançado do Yoga,quando a respiração cessa, sem púraka ou rechaka.

Khatwa: cama. Nome de um mudrá.

Khecharí: um bandha que consiste em obstruir a passagem do ar pela garganta, voltando a língua para cima e para trás.

Kilaka: laço de amizade. Nome de um mudrá.

Kírtan ou kírtana: vocalização de mantra polissilábicos e com melodia, de efeito extroversor.

Klesha: dor, aspecto doloroso da consciencia. As cinco fontes de miséria existencial: a incultura, o egotismo, a exaltação das paixões, a aversão injustificada e o apego à vida.

Klishta: impureza.

Kokila: ave indiana, parecida com o cuco.

Kona: ângulo.

Konásana: nome de um ásana.

Kosha: corpo, invólucro. Tratado, dicionário.

Kr: ação, fazer.

Krama: fazer

Krikára: um dos ares vitais menores. regula a tosse e o espirro.

Kripá: o toque do Mestre, compaixão.

Krishna: negro. Um avatara, encarnação de Vishnu.

Krishásana: nome de um ásana muscular.

Kriyá: atividade. Designa os processos de purificação interna do organismo.kriyá Yoga: um ramo do Yoga. Segundo o Yoga Sútra, consiste em fazer tapas, swádhyáya e íshwara pranidhána.

Kshatriya: casta dos guerreiros.

Kuhú: uma nádí. Inicia-se no kanda, na região do abdomen, indo até os órgãos sexuais.

Kukkuta: galo.

Kukkutásana: nome de um ásana de equilíbrio sobre as mãos.

Kula: família. No tantrismo, designa uma linha inciática.

Kularnava Tantra: texto tradicional do tantrismo vámachara,da escola Kaula.

Kumára: filho de Shiva, deus da guerra. Filho, rapaz, criança, jovem.

Kúmbhaka ou kúmbha: cântaro, jarro de água. A retenção da respiração com os pulmões cheios

de ar.

Kunda: o lugar onde reside kundaliní, na base da espinha dorsal, no múládhára chakra.

Kundala:corda enrolada.

Kundalinásana: nome de um grupo de ásana.

Kundaliní ou kundalí: aquela que está enroscada como uma serpente. A forma na que a Shaktí primordial está presente no ser Humano: uma energia ígnea de natureza nervosa, que permanece

em estado latente na base da coluna e se manifesta através da pulsação sexual.

Kundaliní Yoga: ramo da Yoga baseado no despertar do poder serpentino.

Kunjal kriyá: outro nome do jála vasti, lavagem do estomago com água morna e salgada.

Kunjara: elefante.

Kúrma: tartaruga. Nome de um mudrá. Um dos ares vitais, que controla o pestanejar.

Kúrmanádí: a região do coração.

Kúrmásana: nome de um ásana.

Kuru: família real mencionada na Bhagavad Gitá.

 

 

 

 

 

 

 

 


L


Labha: prosperidde, conseguir.

Laghima: poder de levitação.

Laghu: fácil, leve.

Lakh ou laksha: o número 100.000.

Lakshmí: na mitologia purânica, deusa da fortuna e da beleza.

Lam: bíja mantra que ativa o swáddhisthána chakra.

Langula: cauda. Nome de um mudrá.

Lanká: no Rámáyána, reino do demonio Rávana Ceilão.

Lauliki: movimento dos músculos e órgãos abdominais.

Laya: dissolução.

Laya Yoga: um dos ramos do Yoga, baseado no despertar da energia latente, kundaliní.

Lilá: jogo cósmico.

Linga ou lingam: signo, falo. O lingam não se relaciona apenas com a sexualidade, mas também com a força vital que se manifesta nas práticas. É símbolo de Shiva, o poder gerador masculino.

Linga sháríra: corpo etérico.

Loka: planeta, habitat.

Lola: balanço, tremor, fricção.

Losásana: nome de um ásana que se faz rolando sobre as costas.

Loma: cabelo, pelo.

Lota: recipiente utilizado para a prática de neti, lavagem das narinas com água morna e salgada.

Lothal: principal porto da civilização harappiana.


 

M


Maghya: centro, meio.

Madhyama: intermediário, médio, central.

Maha: grande.

Maha Yoga: uma modalidade de Yoga.

Mahabhárata: O Grande (Combate) dos Bhárata. Épico do hinduísmo em 100.000 shloka, que conta o combate travado entre os Pándava e seus primos Kaurava, pelo reino de Bhárata.

Mahábhásya: O GrandeComentário da gramática de Pánini.texto atribuído a Pátañjali.

Mahabhúta: os grandes elementos da Natureza, cuja manifestação é o mundo físico: éter, ar, fogo, água e terra.

Mahadeva: um dos nomes de Shiva.

Mahadeví: nome de Shaktí.

Mahat: o grande, a massa energética indiferenciada, na teoria dos tattwa, primeiro princípio que emana da Prakriti.

Mahayuga: o conjunto das quatro eras (yuga).

Mahima: siddhi que consiste em aumentar de tamanho conforme o próprio desejo.

Maithuna: união sexual tântrica matrimonio. Coito ritual no qual os parceiros emulam a união cósmica entre Shiva e Shaktí.

Maitrí: amizade.

Maitrí Upanishad: uma das Upanishad que descrevem técnicas do Yoga.

Makára: a letra m.

Makara: crocodilo, monstro marinho.

Makára, ritual dos cinco: ver pañchamakára.

Makarásana: nome de um ásana de retroflexão.

Málá: colar de 108 contas utilizado para fazer contagem de mantra.

Man: pensar, refletir.

Manana: ponderar.

Manas: pensamento, cognição, o aspecto cognitivo da consciencia. Mente, desejo.

Manasika: mental, relativo à mente.

Manaskriyá: atividade dopensamento, atividade mental.designa os exercícios de visualização.

Mandala: diagrama geométrico empregado para a prática de meditação.

Manduka: rã.

Mandukásana: nome de um ásana.

Mani: diamante, jóia.

Manipúra: cidade da jóia, nome do terceiro chakra, centro de força situado na altura do plexo solar.

Manomani: samádhi.

Manomáyákosha: corpo ilusóriofeito de pensamento. O corpo mental, quarto veículo de

manifestação do homem.

Mantra: instrumento do pensamento. Vocalização de sons e ultra-sons que se faz com a finalidade de

disciplinar a atividade consciente. Há mantras que constituem fórmulasde poder, isto é, que detém a

essencia de certas energia que o yogin manipula nas práticas.

Mantra chaitanya: consciência mântrica.

Mantrin: aquele que faz mantra.

Manu: deus-legislador dos tempos vedicos, pai da Humanidade.

Manuvadharmashástra: Leis de Manu. Códices de legislação compostos entre os séc. I e II a.C.

Marga: caminho do aprendizado.

Mátra: átomo. Unidade de contagem usada para medir o ritmo no pránáyáma.

Mátriká: mãe. Os fonemas do alfabeto sânscrito.

Matsya: peixe.

Matsyásana: nome de um ásana.

Matsyendranatha ou Matsyendra: senhor dos peixes, nome do fundador da escola Kaula e Mestre de

Gorakshanatha. Viveu entre os séc.IX e XII d.C.

Matsyendrásana: nome de um  ásana de torção.

Mauna: jejum verbal.

Máyá: ilusão. Na doutrina Vedánta, o mundo tangível é máyá, puramente ilusório.

Mayura: pavão. Nome de um mudrá.

Mayurásana: nome de um ásana muscular.

Meru: nome de um montanha, o axis mundi dos mitos genésicos hindus. Também designa a coluna

vertebral.

Merudanda: a coluna vertebral.

Merudandásana: nome de um grupo de ásana deitado.

Mímánsá ou Púrva Mímánsá: Exame, forma, regra. Nome de um das seis escolas tradicionais da

ortodoxia hindu. O Mímánsá não é um sistema filosófico propriamente dito, mas um dogmático sistema de interpretação das escrituras vedicas, que versa sobre como devem ser feitos os rituais e as cerimonias religiosas.

Mirdu: suave, gentil.

Mirta: cadáver.

Moha: infautação, desilusão,confusão.

Mohana: surpresa, erro, tentação.

Mohejo-Daro: cidade da civilização harappiana, berço do Yoga.

Moksha: libertação, descondicionamento do homem.

Mokshadharma: texto do hinduísmo.

Mriga: cervo.

Mrigashírsha: cabeça de cervo, nome de um mudrá.

Mud: raiz da palavra mudrá, que significa magia, encanto ou satisfação.

Mudrá: gesto simbólico, reflexológico ou magnético feito com as mãos.

Em alguns textos, principalmente de Hatha Yoga, pode ser sinônimo de ásana ou bandha. Também

designa a Shaktí, parceira tântrica nas práticas de maithuna.

Mukha: boca, rosto, cara.

Mukta: liberado. Aquele que atingiu a libertação através das técnicas do

Yoga.

Muktásana: nome de um ásana.

Mukti: emancipação , libertação pelo samádhi.

Mukula: flor em botão. Nome de um mudrá.

Múla: raiz, origem, base, início.

Múla bandha: contração das esfíncteres do anus e da uretra.

Múla Prakriti: a Natureza primordial.

Múla shodhana: lavagem do reto.

Múládhára: centro de força situado na base da coluna vertebral, na

região sacra.

Mulyalaka: nome do demonio que representa a ignorância.

Munda: uma das línguas pré- dravídicas, de origem austroasiática.

Muni: silencioso. Asceta.

Múrchchhá: desvanecimento.Nome de um pránáyáma.

Mushti: punho fechado. Nome de um mudrá.


 

N


Náda: som, sonoridade, vibração sutil. O som que o yogin ouve ao praticar tantra dhyána.

Náda Yoga: um ramo do Yoga.

Nadánta: uma das danças de Shiva.

Nádí: rio, torrente. Canais do corpo sutil pelos quais flui a bioenergia.

Nádí shodhana: purificação das Nádi. Um pránáyáma de respiração alternada.

Nága: serpente naja.

Nága váyu: ar vital responsável pelo eructo e o soluço.

Nagabandha: serpentes entrelaçadas. Nome de um mudrá,

Nágakkal: caduceu dravídico, símbolo de fertilidade.

Nágaí: urbana. Escrita da cidade, alfabeto surgido no século VII d.C. Para transcrever o sânscrito, segundo Langdon, esta escrita deriva do brahmi do norte, o antepassado de todos os alfabetos hindus, que por sua vez, surgiu da escrita harappiana, pertencente à civilização dravídica.

Namah: interjeição de saudação.

Namaskára: saudação.

Namaste: interjeição de saudação popular.

Nandi: alegre. O outro branco, veículo de Shiva. Nome de um mudrá.

Nara: homem.

Narasimha: homem-leão,

encarnação de Vishnu.

Narayana: o conservador da vida, Vishnu.

Naságra ou nasikagra drishti: exercício ocular que consiste em fixar firmemente o olhar na ponta do

nariz.

Nata ou natya: dança.

Natapádásana: nome de um ásana.

Natarája: rei dos dançarinos, um dos nomes de Shiva, que faz alusão à sua forma de dançarino.

Natarájásana: nome de um ásana de equilíbrio.

Natashíra: cabeça de dançarino. Designa variação de ásana.

Natha: senhor.

Nauli: auto-massageamento abdominal com isolamento do músculo reto. Técnica de purificação das mucosas.

Neti: lavagem das fossas nasais utilizando água morna e salgada ou uma sonda de borracha.também

significa não.

Nidrá: sono.

Nir: sem, não.

Nirahasta: sem as mãos.

Nirálamba: sem apoio.

Nirálambana samádhi: samádhi sem apoio. Ver asamprájñata samádhi.

Nirañjana: sem falsidade, absolutamente puro, aquilo que é inatingível pelos guna.

Nirbíja samádhi: samádhi sem semente. Ver asamprájñata samádhi.

Nirguna: sem atributos. O Purusha.

Niríshwarasámkhya: Sámkhya sem Senhor, dualista, naturalista e ateísta. Uma das correntes de

pensamento (darshana) do hinduísmo, pólo oposto do Vedánta.

Nirodha ou nirodhah: controle, supressão, parada.

Nirvichárá samádhi: samádhi supra reflexivo, um tipo de samprájñata samádhi, esado de

hiperconsciencia em que o yogin assimila de forma ideal o objeto da contemplação.

Nirvi: nada.

Nirvitarká samádhi: o samádhi não argumentativo. Grau de hiperconsciencia no qual o objeto de meditação capta-se direta e integralmente, sem o auxílio de associações mentais.

Nishedha: lei, negação, exceção. Nome de um mudrá.

Nitamba: curva de um rio, glúteo, nádega.

Nitambásana: nome de um ásana de flexão lateral.

Nivritti: satisfação, repouso. Estado de emancipação dos vritti, as instabilidades que dão corpo à vida

consciente.

Niyama: observância.

Nyása: identificação. Grupo de práticas do Yoga. Ritual tântrico no qual procede-se à imposição de

certas energias em diferentes partes do corpo.

Nyáya: método, forma. Escola filosófica hindu (darshana) que se ocupa da lógica formal e da teoria

do conhecimento.


O


Ojas: poder psíquico concentrado, energia sexual sublimada.

OM: vibração primordial do Universo é o mais poderoso dos mantra, símbolo do Yoga.

Omkára: a sílaba OM, traçada em devanágarí.

Omkárásana: nome de um ásana de torção.


P


Páda: pé, capítulo de um livro.

Pádahasta: mãos nos pés.

Pádahastásana: nome de um ásana de flexão para frente.

Pádangushtha: dedo maior do pé.

Pádaprasaranásana: nome de um  ásana.

Pádásana: nome de um ásana.

Pádashírsha: com os pés na cabeça.

Padma: lótus. Outro nome dos chakra.

Padmakosha: botão da flor de lótus. Nome de um mudrá.

Padmásana: nome de um ásana de meditação.

Pádotthita: sobre as pontas dos pés.

Páduká Pañchaka: texto tântrico que descreve a fisiologia do corpo sutil.

Paksha: asa.

Pakshásana: nome de um ásana de equilíbrio.

Pallava: broto, botão, expansão, bracelete, amor, nome de um mudrá.

Palli: cabana, vilarejo. Nome de um mudrá.

Pañcha: o número cinco.

Pañcha makára: ritual dos cinco m ou dos cinco makára. As práticas do Kaulachara Tantra: mamsá,

madhya, matsya, mudrá e maithuna, que utilizam carne, vinho, peixe, grãos e o ato sexual.

Pañchágni: cinco fogos, prática de tapas, esforço sobre si próprio que consiste em meditar rodeado de

quatro fogueiras, sendo o quinto fogo o Sol no zenite.

Pañchatattwa: os cinco elementos:éter, fogo, ar, água e terra. Outro nome do pañchamakára, o ritual de

transgressão do tantrismo Vámachara, que inclui a ingestão de bebidas embriagantes e carnes,

além da união sexual com orgasmo.

Pándava: uma das dinastias em guerra no Mahabhárata.

Pandit: título honorífico dos brahmanes eruditos.

Páni: mãos ou braços.

Pánini: gramático indiano (séc. V ou IV a.C.), autor de um tratado sobre morfologia e fonética que reformulou a língua sânscrita, tornando-a clássica.

Para: além, elevado, superior.

Para-shabda: som primordial.

Paramátman: o Eu Supremo.

Parampará: linha sucessória, herança. Desgina o conhecimento transmitido de Mestre a discípulo,

geração após geração.

Parigha: ferrolho, trinco.

Parighásana: nome de um ásana.

Parigraha: cobiça.

Parináma: evolução.

Paripúrna: completo.

Parshwa: lateral. Refere-se aos exercícios feitos de lado.

Parshwottanásana: nome de um ásana.

Párvata: montanha.

Parvatásana: nome de um ásana de equilíbrio sobre os joelhos.

Párvatí: a montanhesa, nome de uma das esposas de Shiva.

Paschima: parte posterior do tronco.

Paschimottanásana: nome de um ásana de flexão para frente.

Pasha: laço. Nome de um mudrá.

Pashu: animal, ligado. Homem condicionado. Na linguagem tântrica, o homem profano, escravo e conformista, ignorante da sua própria dimensão.

Pashupati: senhor das feras. Um dos nomes de Shiva.

Pataka: bandeira, estandarte. Nome de um mudrá.

Pátañjala Yoga: Rája Yoga ou Yoga de Pátañjali.

Pátañjali: codificador do Yoga clássico, autor do Yoga Sútra.Calcula-se que tenha vivido entre os séc. II a.C. e IV d.C.

Patra: asa, pluma, folha, papel, fio de uma faca. Nome de um mudrá.

Pavana: ar, vento.

Páyu: órgãos excretores.

Phala: frutos das ações.

Pida: dor.

Pincha: pluma, queixo.

Pinda: embrião.

Pingalá: canal de circulação de energia no corpo sutil, de polaridade positiva ou solar. Sobe ao longo da coluna, desde o múládhára chakra até finalizar na narina direita, nos homens, e na esquerda, nas mulheres.

Pingalásana: nome de um ásana de meditação.

Pitta: bílis.

Plávana: flutuar.

Plaviní: flutuação. Nome de um pránáyáma.

Prabuddha: despertamento, sabedoria.

Pradípiká: luz, iluminar.

Praghandásana: nome de um ásana muscular.

Prajápati: o Senhor das Criatura,. nos mitos genésicos dos  Brahmana, o homem primordial, criado através de ascese (tapas).

Prájña: conhecimento, sabedoria.

Prakásha: luz, brilho, fama.

Prakáshátmika: aquela que é luz e manifestação, a Shaktí.

Prakrita: natural. Línguas faladas secularmente que influíram sobre o sânscrito.

Prakriti: a Natureza, a energia primordial, causa produtora.

Prakriti Yoga: Yoga contemporâneo, único com a prática adequada para a realização no hemisfério sul.

Prakshálana: lavagem, limpeza.

Pramáda: intoxicação.

Pramána: autoridade, ideal. Fonte de percepção, inferencia ou dedução.

Prána: bioenergia, energia vital, respiração, alento.

Prána váyu: ar vital localizado na região do peito.

Pránamáyákosha: invólucro do corpo sutil feito de bioenergia.

Pránana: alento, respiração.

Pranava: veículo do prána. Nome do mantra OM.

Pránáyáma: expansão e domínio da energia vital através de técnicas respiratórias. Quarto anga do Yoga

de Pátañjali.

Pranidhána: entrega.

Prasáda: purificação, serenidade

mental.

Prasarana: extensão.

Prasaranásana: nome de um ásana.

Prasaríta: estendido, esticado.

Prashwáda: expirar.

Prathanásana: nome de um ásana.

Pratiloma: nome de um respiratório.

Pratyáhára: retração dos sentidos, quinto anga do Yoga de Pátañjali.

Pratyaya: os conteúdos da consciencia.

Prayága: lugar sagrado na Índia.

Prema: amor, carinho, afeto.

Pristhakonásana: nome de um ásana de retroflexão em pé.

Pristhásana: nome de um ásana de retroflexão em pé.

Prithiví: o elemento terra.

Pronam: nome de um mudrá.

Pújá: oferenda ou retribuição de energia. Pode ser mental (manasika Pújá) ou de objetos (báhya pújá).

Púnya: virtude, mérito, bondade.

Púraka: o ato de inspirar.

Purána: escritos enciclopédicos de mitos do hinduísmo, para instrução popular, compostos entre 300 e

1.200 d.C.

Puránásana: nome de um ásana sentado.

Puránavajrásana: nome de um ásana.

Púrna: plenitude, completo, cheio.

Púrna Yoga: método de Yoga ensinado por Shrí Aurobindo.

Púrnásana: nome de um ásana de torção.

Púrnata: perfeição.

Púrusha: homem. Na cosmogonia Sámkhya, o Ser, o princípio masculino, imutável e luminoso que a metafísica do Tantra identifica com Shiva.

Púrva: primeiro, avançado, antepassado, ascendente.

Púrva mímánsá: ver Mimánsá.

Púrvaka: nome de um respiratório.

Púrvottana: parte frontal do corpo.

Púshan: o Sol.

Pushpaputa: mãos cheias de flores. Nome de um mudrá.

Pustaka: o nome dado aos manuscritos sânscritos.  Deriva da palavra iraniana post, que significa

pele, de árvore ou animal.


R


Rága: apego, paixão, raiva. Em outro plano, um tipo de música.

Rahasya: segredo.

Ráj ou rája: rei, legislador. Utiliza-se como prefixo para designar os ásana com um certo grau de

dificuldade.

Rája Yoga: o Yoga Clássico, codificado por Pátañjali.

Rajas: movimento, mobilidade, ação, paixão. Um dos tres guna, princípios que definem por interação todo o existente.

Rajásico: que possui a natureza de rajas.

Rájodara: na nomeclatura dos ásana, contração das palavras rája (real) e udara (abdomen).

Rájordhwa: contração das palavras rája (real) e urdhwa (elevado).

Ram: bíja mantra, som semente que ativa o manipúra chakra.

Rama: herói do épico Rámáyána, sétima encarnação de Vishnu.

Ramakrishna (1834-1886): Mestre de Yoga de linha tântrica, nascido em Bengala. Seu discípulo mais

renomado é Vivekánanda (1862-1902), fundador da Ramakrishna Mission.

Ramana Maharishi (1878-1950):mestre de Yoga do sol da Índia que ensinava através do silencio e da

vida contemplativa.

Rámáyána: Feitos de Rama, deVálmiki, escritos entre os séc. IV e III a.C. um dos épicos do hinduísmo,

narra as aventuras de Rama para resgatar a sua esposa Sita das mãos de Rávana, seu raptor.

Rasa: sabor.

Rasana: paladar, língua.

Rati: gozo, amor.

Rávana: demonio raptor de Sita, a consorte de Rama no Rámáyána.

Ravi: o Sol. Rio no nordeste da Índia.

Rechaka: o ato da exalação. Uma das fases do pránáyáma.

Retus: semen.

Rig Veda: o Veda das Estrofes. O documento literário e religioso mais antigo a Humanidade, primeiro dos quatro Veda, livros sagrados do hinduísmo, é uma compilação de mais de mil hinos, que forma um

espécie de antologia recolhida entre as antigas família sacerdotais. Segundo estudiosos como G. Tílak

e H. Jacobi, esta obra nasceu antes do ano 4.000 a.C., havendo-se submetido às diversas variações da

língua ao longo do tempo.

Rishi: aquele que ve. Sábios ascetasdos tempo védicos que receberam o conhecimento revelado do Shruti,as escrituras do hinduísmo.

Ru: luz.

Rudra: aquele que grita, medonho, terrível. Nome vedico de Shiva.

Rudragranthi: nó de Rudra, terceiro granthi, localizado no ájña chakra, no intercílio, eu constitui uma

espécie de válvula de segurança para o despertamento da energia kundaliní.

Rudráksha: lágrima de Shiva, uma semente com a qual se fazem os japamálá, colares de 108 contas

utilizados para contagem de mantra.

Rúpa: forma, cor. Um dos tanmátra, as qualidades sensíveis.


 

S


 sa: com.

Sabíja samádhi: samádhi com semente. Ver samprájñata samádhi.

Sadashiva: um dos nomes de Shiva.

Saddhu: praticante de Yoga que renunciou à vida profana.

Sádha: praticar.

Sádhaka: praticante de Yoga.

Sádhana: prática cotidiana.

Sádhanamálá: um antigo texto tântrico.

Sagarbha pránáyáma: exercício respiratório feito com acompanhamento mental de mantra.

Saguna: com atributos, qualificado, dotado de qualidades.

Sah: isso.

Sahaja: espontâneo, natural. Karma atual.

Sahajolí: fortalecimento da musculatura genital feminina através da contração das paredes vaginais.

Sahásrara: padma coronário, centro de força localizado no alto da cabeça, chamado lótus das mil pétalas a causa das 972 nádi que emanam nele.

Sahita: acompanhado.

Sahita kúmbhaka: retenção do alento feita com acompanhamento, isto é, precedida de uma inspiração

ou uma exalação.

Sakshi: aspecto da consciencia individual onde esta permanece como a testemunha silenciosa.

Sakshi bháva: qualidade de testemunhar.

Sálamba: apoiado.

Sálamba samádhi: samádhi com apoio. Outro nome do samprájñata samádhi.

Sam ou sama: junto, igual.

Sama Veda: o Veda das melodias.Recopilação de hinos sagrados tomados do Rig Veda, mas

acompanhados de notação musical.

Sama vritti pránáyáma: exercício no qual as fases da respiração são perfeitamente uniformes e

de igual direção.

Samádhi: estado de hiperconsciencia, objetivo final do Yoga. Em verdade, mais do que um estado, o samádhi é uma área de conhecimento que abrange diversos graus de hiperconsciencia.

Samakonásana: nome de um ásana de abertura pélvica.

Samána váyu: um dos cinco ares vitais, formas que assume a  bioenergia ao circular pelo organismo, localizado na parte média do tronco. Facilita a assimilação do prána e regula a digestão.

Samánásana: nome de um ásana de meditação.

Samápatti: logros, conquistas.Completa absorção da consciencia no samádhi, quando o contemplador,

o objeto contemplado e o ato da contemplação tornam-se um só.

Samása: contração, harmonização, composição.

Sambháva: nascimento.

Samhitá: coleção, compilação. O conjunto dos quatro Veda.

Samiti: assembléia, batalha.

Sámkhya: discernimento, número, nome de um darshana, sistema filosófico especulativo hindu. Ver Niríshwara Sámkhya.

Sámkhya Káriká: as Estrofes do discernimento, texto chave da cosmogonia dualista sámkhya, atributo a Íshwarakrishna.

Sámkhya Sútra ou Sámprachavana: tratado sobre Sámkhya, aitrbuído ao sábio Kapila, fundador desta escola de filosofia.

Samprájñata samádhi: samádhi diferenciado ou com cognição, que se exerce sobre um objeto exterior.

Uma das variedades de samádhi, o estado de megaconsciencia. O samprájñata samádhi compreende quatro formas diferentes de enstase: savitarká, nirvitarká, savichárá e nirvichárá.

Samputa: cofre. Nome de um mudrá.

Samsára: a existencia condicionada; a experiencia do mundo como algo volúvel, contingente e instável.

Samskára: as raízes profundas dos condicionamentos humanos, tendencias subconscientes de caráter inato e hereditário.

Samskrita: refinado, clarificado. O nome da língua sânscrita.

Samyukta hasta mudrá: nome genérico dado aos gestos feitos com ambas as mãos.

Samyama: técnica tríplice: concentração (dháraná), meditação (dhyána) e hiperconsciencia

(samádhi), objetivo do Yoga.

Sandamsha: pinça. Nome de um mudrá.

Sándhabháshya: linguagem intencional, estilo de prosa em forma de enigma na qual estão redigidos alguns textos antigos.

Sándilya: uma das Upanishad.

Sanga ou sangam: reunião. Ponto de encontro dos tres rios sagrados da Índia: o Gangá, o Yamuná e o Saraswatí; por analogia, é também a confluencia das tres principais nádí, ida, pingalá e sushumná, na

altura da garganta.

Sannyása: renúncia.

Sannyásin: aquele que renunciou à vida profana.

Santosha: contentamento, alegria. Um dos cinco niyama, observâncias de conduta do Rája Yoga.

Sara: essencia.

Saraswatí: na mitologia, deusa da sabedoria e o conhecimento. Rio sagrado do norte da Índia, hoje seco.

Sarpa: serpente. Nome de um mudrá.

Sarpásana: nome de um ásana

Sarpashírsha: cabeça de serpente, nome de um mudrá.

Sarva: tudo.

Sarva Yoga: um ramo de Yoga.

Sarvánga: todas as partes: o corpo.

Sarvangásana: um ásana de inversão sobre os ombros.

Sásmita samádhi: samádhi sobre o buddhi, o mais elevado grau de samprájñata samádhi.

Sat: ser, verdade, realidade.

Satapatha Brahmana: texto hindu.

Satchakra: o conjunto dos principais chakra, centros de força do corpo energético.

Satchakra Nirúpana: tratado tântrico que faz uma descrição detalhada dos seis principais

chakra.

Satchela: discípulo dileto.

Satchidánanda: ser-consciencia-beatitude.

Satguru: Mestre interno.

Sátí: esposa de Shiva.

Sattwa: equilíbrio, leveza, bondade. Um dos tres guna, princípios que interagem na manifestação da

Natureza.

Sáttwico: que possui a natureza de sattwa, harmonioso, equilibrado.

Satya: verdade, veracidade, um dos Cinco yama do Rája Yoga.

Savichárá samádhi: samádhu reflexivo ou com diferenciação.

Uma das modalidades de samádhi, que se caracteriza pelo conhecimento das propriedades manifestadas no objeto de meditação.

Savikalpa samádhi: ver samprájñata samádhi.

Savitarká samádhi: samádhi chamado nocional, um dos estados de hiperconsciencia.

Savitarká samádhi: samádhi nocional. Uma das modalidades de samádhi, na qual exerce-se

contemplação sobre um objeto denso.

Sávitr: o Incitador. Deus vedico solar.

Sávitrí: uma forma de meditação.

Seshwara Sámkhya: Sámkhya teísta ou com Senhor, é outro nome dado ao Ashtánga Yoga, método codificado por Pátañjali. A diferença entre este método e o Niríshwara Sámkhya (ateísta) reside no fato de

que Pátañjali introduziu na sua obra um detalhe chave: o conceito de íshwara.

Setu: ponte.

Seva: serviço.

Shabda: som, palavra, mantra.

Shabda Jñána: conhecimento do som.

Shabda-brahman: o som do Absoluto, que se percebe no estado de samádhi.

Shaiva: relativo a Shiva. Adepto do shivaísmo.

Shakta: corrente devocional do tantrismo.

Shaktí: esposa, energia, poder. Nome da consorte de Shiva. Na  cosmogonia tântrica equivale à

Prakriti, o princípio feminino, dinâmico e gerador.

Shaktuásana: nome de um ásana.

Shalabha: gafanhoto.

Shalabhásana: nome de um ásana.

Shámbhava: um dos nomes de Shiva.

Shámbhaví: fixação ocular no ponto  do intercílio.

Shámbhu: outro nome de Shiva.

Shank: expectação, dúvida.

Shanka prakshálana: técnica de desintoxicação e limpeza interna que se faz ingerindo água salgada e

expelindo-a pelos intestinos.

Shankara: auspicioso, propício, um dos nomes de Shiva.

Shankarácharya: teólogo malabar (788-820 d.C.), apologista e defensor do sistema Vedánta, monista e espiritualista,

Shankha: concha, tesouro, trompa de caracol. Nome de um mudrá.

Shankiní: outro nome de Shaktí,esposa de Shiva.

Shanti: paz.

Sháríra: corpo, invólucro.

Shash: o número seis.

Shashta: sexto.

Shashti:o número sessenta.

Shashti Tantra: um tratado de Sámkhya.

Shastra: repetição, escrituras sagradas dos hindus. Tratado ou conjunto de textos de uma determinada escola filosófica ou científica.

Shat: o número seis.

Shataka: carruagem. Nome de um mudrá.

Shat karma: as seis ações, o grupo das técnicas de purificação do corpo físico.

Shaucha: limpeza, purificação, um dos cinco niyama, prescrições de conduta do Yoga Clássico.

Shava: cadáver.

Shavásana: posição de descontração.

Shikhara: ponta, topo. Nome de um mudrá.

Shírabáhu: com o braço na cabeça.

Shírahasta: com a mão na cabeça.

Shírangusthásana: nome de um ásana em pé.

Shírapáda: com os pés na cabeça.

Shírapádásana: nome de um ásana.

Shírsha ou shíra: cabeça.

Shírshásana: nome do ásana de inversão sobre a cabeça.

Shishtha: educação, chefe.

Shishtháchára: boas maneiras.

Shishya: discípulo.

Shíta: murmúrio, frio, frescor.

Shitálí: refrescante. Nome de um pránáyáma.

Shítkárí: frescor, frio, nome de um pránáyáma.

Shítkrama: uma forma de fazer kapálabháti.

Shiva: o Benfeitor. Criador mitológico do Yoga e arquétipo do praticante. Na cosmogonia do tantrismo corresponde ao Purusha do Sámkhya, o Si, o Self.

Shiva Swárodhaya: texto que descreve a fisiologia sutil do corpo, escrito em forma de diálogo entre

Shiva e sua consorte.

Shivalingam ou shivalinga: falo de Shiva, símbolo do princípio gerador masculino. Nome de um

mudrá.

Shivánanda (1887-1944): Mestre de Yoga contemporâneo, fundador da Divine Life Society, em Rishikesh.

Shivaya: interjeição de saudação a Shiva.

Shodhana: purificação. nome de um pránáyáma.

Shraddha: fé intensa.

Shrí: santo. Título respeitoso.

Shrotra: audição.

Shruti: aquilo que é ouvido, revelação. Tradição oral védica, transcrita entre 1.400 e 400 a.C. Os textos que fazem parte do Shruti incluem os Veda, os Brahmana, os Áranyaka e as treze primeiras Upanishad.

Shuddha: inatingível, puro, límpido. Uma das qualidades de Purusha.

Shuddhi: purificação.

Shúdra: quarta casta, que inclui camponeses, artesãos e servos.

Shukatunda: bico de papagaio. Nome de um mudrá.

Shúnya ou shúnyata: vazio.

Shúnyaka: retenção com os pulmões vazios.

Shwása: inspirar.

Siddha: perfeito, o detentor dos siddhi, poderes paranormais.

Siddhánta: demonstração, fato consumado.

Sidhásana: uma posição de meditação.

Siddhi: poderes paranormais dvindos do estado de megaconsciencia, que o yogin adquire ao progredir no sádhana.São formas diferentes derelacionar-se com as leis da Natureza.

Sili: flecha, abelha.

Silímukha: nome de um mudrá.

Simha: leão.

Simhamukha: cabeça de leão.Nome de um mudrá.

Simhásana: nome de um ásana.

Sindh ou Sindhu: nome que os indo-arianos davam ao rio Indus.Dele derivaram as palavras hindu, Hindustán e hindí.

Sítá: consorte de Rama. heroína do épico Rámáyána.

Sitar: do persa see thar, seis cordas. Instrumento musical.

Skanda: deusa da guerra, filho de Shiva. O Marte indiano.

Sloka: estrofes de quatro ou seis versos nas quais estão redigidos os épicos.

Smriti: memória. Toda a produção literária posterior aos textos revelados do Shruti (a partir de 500 a.C. até o séc. V d.C.: os Vedánga (Membros do Veda: fonética, gramática, métrica, etimologia, astronomia e ritual), os Ágama, os Purána, o Manuvadharmashástra (Leis de Manu), as Upanishad tardias, et coetera.

So’ham: eu sou isso. O ajapa japa, mantra que corresponde ao som da respiração, feito de forma inconsciente quando se respira.

Spársha: toque. Jñánendriya do tato.

Spárshana: tato.

Stambha: pilastra, coluna.

Stambhásana: nome de um ásana muscular.

Steya: roubo.

Sthala vasti: o vasti seco, um kriyá no qual enchem-se os intestinos com ar, sendo este eliminado

posteriormente pelo reto.

Sthirasukham: firme e agradável Definição que Pátañjali deu aos exercícios físicos do Yoga.

Sthiti: firmeza, estabilidade.

Sthúla: denso, grosseiro.

Sthúla sháríra: corpo físico denso.

Suchi: agulha, Nome de um mudrá.

Sukha: fácil, prazeroso, sensual.

Sukhásana: nome de um ásana sentado.

Súkshma: sutil.

Súkshma sháríra: corpo sutil

Supta: dormente. Designa os ásana feitos deitado ou com os olhos fechados.

Súrya: Sol.

Súrya namaskara: saudação ao Sol, seqüencia de doze exercícios.

Súryabheda ou súryabhedhana: passar através do Sol. Nome de um pránáyáma.

Sushumná: a mais importante nádí do corpo sutil, no interior da espinha vertebral. Vai desde o múladhára chakra até o brahmarandhra, no centro do crânio. Habitualmente, esta nádí não conduz a energia, apenas entra em atividade no momento do despertar da força kundaliní.

Sushumnásana: nome de um ásana de meditação.

Sushuptyávastha: estado de consciencia relativo ao sono sem sonhos.

Sútra: cordão, fio, aforismo. É uma prosa concisa e enigmática, na que está escrita uma parte dos textos

do hinduísmo.

Swa: si próprio, alma, força vital.

Swadharma: sua própria lei de ação.

Swádhisthána: fundamento de si próprio. O segundo dos chakra, centros de força localizados ao longo da coluna vertebral, quatro dedos abaixo do umbigo.

Swádhyáya: estudo de si próprio e das escrituras. Um dos cinco niyama, prescrições éticas do Yoga de Pátañjali.

Swáhá: glória! Interjeição utilizada no sacrifício vedico.

Swámi: mestre de si mesmo.

Swápna: mente subconsciente, sonho.

Swápnávastha: estado de consciencia durante o sonho.

Swára: folego, fluxo do alento pelas narinas. O ritmo adequado para a prática de pránáyáma. Também

significa som, tom.

Swára Yoga: um ramo de Yoga que trabalha principalmente com o alento vital.

Swárga: céu.

Swarodhaya: início do swára (fluxo da respiração) por uma narina.

Swarúpa: com sua própria forma.

Swásana: seu próprio ásana de meditação.

Swástika: auspicioso, cruz, encruzilhada de caminhos. Nome de um mudrá.

Swástikásana: nome de um ásana de meditação.

Swátmáráma: autor do Hatha Yoga Pradípiká.

Swetáshvatara: uma das Upanishad que descreve técnicas do Yoga.



T


Tada: montanha.

Tála: palmeira.

Tálásana: nome de um ásana.

Tamas: imobilidade, inércia. Um dos tres guna, os atributos da Natureza.

Tamásico: que possui a natureza de tamas.

Tamrachuda: galo. Nome de um mudrá.

Tan: estender, espargir.

Tándava: uma das danças de Shiva.

Tanmátra: são partículas prânicas núcleos energéticos infinitesimais que determinam e qualificam a

realidade. Correspondem aos elétrons. Definem as cinco qualidades do mundo sensível, fundamento das diversas manifestações da energia: som, toque, forma, sabor e odor.

Tantra: tecido, urdidura. Pode ser traduzido como espargir o conhecimento. Sistema filosófico matriarcal e sensorial que empresta suas principais premissas do Sámkhya e do Yoga. Em outra

acepção, um Tantra é um manual que expõe uma doutrina.

Tantra Yoga: um ramo da Yoga.

Tantrika: relativo ao Tantra.

Tap: arder, brilhar, queimar.

Tapas: calor, ascese, auto-superação, esforço sobre si próprio. Um dos cinco niyama do Yoga Clássico.

Tará ou táraka: estrela. Uma técnica de samyama que se faz concentrando-se sobre a imagem de um  corpo celeste.

Tark: pensar, inferir, supor.

Tat: isso.

Tat twan asi: tu és Isso. Tu indivíduo, és semelhante a Isso, o princípio Universal.

Tattwa: princípio, nível de realidade. Na cosmogonia Sámkhya, designa os níveis em que se articula a

manifestação de Prakriti, a Natureza.

Tejas ou agni: o elemento fogo.

Tola: balanço.

Tolángulásana: nome de um ásana.

Tra: instrumento.

Trátaka: exercícios de fixação ocular.

Traya: tríplice.

Trayí: tríade, o conjunto dos tres Veda: Rig, Yajur e Sama. A tradição ortodoxa não considera o Atharva

como sendo um Veda, já que este último trata sobre especulação e magia, o que o afasta do conteúdo ritual dos outros tres.

Trí: o número tres.

Triguna: o conjunto dos tres guna (níveis de realidade): tamas, rajas e sattwa.

Trikona: triângulo.

Trikonásana: nome de um ásana.

Trikuti: o ponto entre as sobrancelhas.

Trimurti: trindade. Nome de um mudrá.

Tripáda: tres pés.

Tripádásana: nome de um ásana  de anteflexão.

Tripataka: bandeira de tres pontas; nome de um mudrá.

Tripundra: sinal de tres linha horizontais que os yogins shivaístas usam na testa.

Tripura: as tres cidades. Designa os tres planos da existencia.

Trishúla: tridente; arma de guerra e símbolo de Shiva. Nome de um mudrá.

Trishúlásana: nome de um ásana de equilíbrio.

Triveni: o ponto de confluencia das res principais nádí, na altura da garganta.

Turíya ou turíyávastha: quarto estado de consciencia, situado além dos estados habituais (vigília, sono e sonho).


 

U


Ubháya: ambos.

Udána: sub-prána localizado na cabeça e no pescoço.

Udara: barriga, abdomen.

Uddhára: elevação, redenção.

Uddharásana: nome de um ásana.

Uddiyana: caminho ascendente, técnica de contração e massageamento dos órgãos abdominais.

Ujjayí: um pránáyáma.

Ujji: vitória, vitorioso.

Uma: esposa de Shiva.

Unmani: samádhi.

Upa: perto, sob, quase, subordinado.

Upádhanásana: nome de um ásana.

Upanayana: cerimonia de investidura com o cordão de Brahma.

Upanishad: sentar aos pés doMestre. Coleção de textos do hinduísmo, alguns dos quais falam

sobre o Yoga. Datam do período compreendido entre 700 e 500 a.C.

Upashta: órgãos reprodutores.

Upavishta: sentado.

Upavishta konásana: nome de um ásana de abertura pélvica.

Upavishtásana: nome de um ásana.

Urdhwa: elevado.

Urdhwamukha: olhando para cima.

Urdhwaretas: aquele que sublimou seu semen (bindu), trasmutando-o em energia sutil.

Urdhwásana: nome de um ásana.

Úrnanábha: teia de aranha. Nome de um mudrá.

Ushtra: camelo.

Ushtrásana: nome de um ásana de flexão para trás.

Utkásana: nome de um ásana.

Utsanga: abraço, colo.

Uttama: superior. Respiração alta ou subclavicular.

Uttána: totalmente esticado, reto, aberto.

Uttara: superior.

Uttara Mímánsá: outro nome do sistema Vedánta.

Utthána: em pé.

Utthita: elevado.


 

V


Vachaspati Misra: filósofo e comentarista do Yoga Sútra e do Sámkhya Káriká (séc. IX d.C.)

Vadana: rosto, boca.

Vahana: veículo.

Vahni: fogo, calor.

Vahnisára ou agnisára dhauti: nome de uma purificação de auto-massagem abdominal que consiste em fazer sucessivas e rápidas contrações, a fim de produzir intenso calor.

Vaikhara: nome de um mudrá.

Vaikhárí: pronunciado, mantra audível, verbalizado. A faculdade da fala.

Vairágya: desapego.

Vaisheshika: um darshana ortodoxo, escola de filosofia que elaborou uma teoria atomista segunda a qual o Universo apenas é uma combinação fortuita e mecânica de átomos.

Vaishnava: relativo a Vishnu.

Vaishya: casta dos comerciantes.

Vajra: diamante, raio.

Vajrásana: nome de um ásana sentado.

Vajriní ou vajra: uma nádí, canal de energia que corre pelo interior da sushmná, ao longo da coluna

vertebral.

Vajrolí: contração do raio. Técnica de reabsorção seminal utilizada no maithuna, a união sexual tântrica.

Vajrolyásana: nome de um ásana.

Vák: palavra. O karmendriya da fala, emissão da voz.

Vakra: torcido, dobrado, indireto.

Vakrásana: nome de um grupo de exercícios de torção.

Vam: bíja mantra do manipúra chakra.

Váma ou vámah: esquerdo.

Vámacharatantrika: tantrismo negro, ou da mão esquerda.

Vámakrama: pránáyáma de respiração alternada.

Vámana dhauti: lavagem que consiste em encher o estomago com água e provocar vomitação, tres horas após a última refeição.

Varaha: javali.

Varanasi: nome sânscrito da cidade

de Benares.

Vardha: tira de couro.

Vári: água.

Várisára: dhauti que consiste em fazer uma lavagem dos órgãos internos utilizando água.

Varna: cor, sistema de castas pelo qual a sociedade hindu estratificase em quatro grandes grupos: brahmana (a classe sacerdotal), kshatriya (os guerreiros), vaishya (os comerciantes e agricultores) e súdra (os descastados, a grande massa da população dravídica nativa). Os integrantes das tres primeiras castas são dwíja, ou seja, duas vezes nascidos, pois recebem o upanayana (iniciação). Pela sua vez, estas quatro castas básicas dividiam-se em numerosas subcasas.

Varnamálá: o alfabeto.

Vartenásana: nome de um ásana.

Váruna: nome do deus vedico dos mares; por extensão, o próprio oceano. Região corporal correspondente ao elemento água, na altura da garganta.

Váruni ou Váruna: uma das principais nádí, situada entre kuhú e yasháswiní.

Vásaná: odor, desejo, ignorância. Impressões subconscientes, tendencias ou disposições que condicionam o homem.

Vasanta: primavera.

Vaso: pano. Ver vastra.

Vasti dhauti ou váso dhauti:purificação do aparelho digestivo que se faz com uma tira de pano.

Váta: ar, respiração.

Váta: vento, ar.

Vátasára: um dos quatro tipos de dhauti, que consiste na limpeza dos órgãos internos utilizando ar.

Vatayana: cavalo.

Vatsa: peito.

Vatyanásana: nome de um ásana.

Váyu: vento, o elemento ar. No Rig Veda, deus do vento. As cinco formas que a bioenergia assume ai

circular pelo organismo. nome de um mudrá.

Váyutkásana: nome de um ásana de equilíbrio.

Veda: aquilo que foi visto, a forma de literatura mais antiga da Índia: são textos sânscritos revelados que

constituem o embasamento da tradição hindu. Os Veda são quatro:Rig, Yajur, Sama e Atharva,datando a sua formação do período entre 1400 e 1000 a.C.

Vedánga: as diversas partes do Veda.

Vedánta: a culminação do Veda. Escola de filosofia de caráter monista e teísta, que propõe a

interpretação dos Veda e as Upanishad desde o ponto de vista espiritualista.

Vepu: tremer, sacudir.

Vibhúti: manifestação de poder.

Vichárá: deliberação, razão,questionamento, dúvida. Designa dois tipos de samádhi (estado de

hiperconsciencia). Ver savichárá e nirvichárá samádhi.

Vid: ver, conhecer, saber.

Vidyá: estudo, aprendizado, ciencia.

Vidyeshwara: senhor do conhecimento.

Vijñána: conhecimento, consciencia.

Vijñánabhikshu: um dos comentadores do Yoga Sútra de Pátañjali, do séc. XIV d.C.

Vijñánamáyakosha: corpo sutil feito de conhecimento. É o intuicional superior.

Vikalpa: imaginação.

Vikramáditya: rei lendário do norte da Índia que, calcula-se, tenha governado no séc. I a.C. ou no IV d.C. Reuniu na sua corte os maiores sábios da sua época.

Vikshepa: dispersão, confusão. Os nove obstáculos ao samádhi: doença, apatia, dúvida, negligencia, indolencia, noções erradas, apego ao prazer, volubilidade e fracasso momentâneo.

Viloma: inverso, contrário; nome de um respiratório.

Viparíta: invertido.

Viparíta karanyásana: nome de um ásana de inversão sobre os ombros.

Viparyaya: conhecimento erroneo; um dos obstáculos ao samádhi.

Víra: herói. O iniciado no tantrismo que se caracteriza pela sua coragem ou qualificação viril. Às vezes é

sinonimo de kaula.

Vírabhadrásana: nome de uma seqüencia de ásana. Faz alusão a Virabhadra, personagem da mitologia hindu.

Virága: desapego, desprendimento.

Vírásana: nome de um ásana sentado.

Vírya: força, virilidade, heroísmo, poder, semen, viril.

Visama: assimétrico, irregular.

Visama vritti pránáyáma:exercício que consiste em manter um ritmo respiratório assimétrico. Vishesha: peculiaridade, distinção.

Vishnu: na mitologia purânica, o deus conservador da criação.

Vishnugranthi: nó de Vishnu, granthi situado no anáhata chakra,centro de energia do plexo cardíaco.

Vishuddha chakra: grandepurificador, centro de força localizado no plexo laríngeo, na área da garganta.

Vishwasára Tantra: texto do hinduísmo onde se expõe a visão tântrica do Universo.

Vismaya: maravilha, supressa, orgulho, dúvida.

Viveka: discriminação.

Vivekánanda: Mestre contemporâneo de Jñána Yoga.

Vrata: voto, rito, devoção.

Vriksha: árvore.

Vrikshásana: nome de um ásana de equilíbrio.

Vrishka: escorpião.

Vrishkásana: ásana de inversão sobre os antebraços.

Vrit: girar.

Vritti: instabilidade, movimento, turbilhão, idéia, modificação, turbulencia, vórtice.

Vyádhi: doença, enfermidade.

Vyághra: tigre.

Vyána: aquele ar vital regula a distribuição dos outros quatro no organismo.

Vyása: ver Bádarayana.

Vyutkrama: purificação que se faz absorvendo água pelo nariz e expulsando-a pela boca.



Y


Yajña: sacrifício.

Yajur Veda: o Veda das fórmulas. Um dos quatro Veda. É uma compilação de regras litúrgicas que inclui um comentário em prosa.

Yam: bíja mantra do anáhata chakra,o chakra cardíaco.

Yama: deus vedico da morte.

yama: literalmente, controle, refreamento. As cinco prescrições de conduta, primeiro anga do Rája Yoga.

Yamuná: rio sagrado da Índia.

Yan: reter.

Yantra: instrumento que serve para reter. Símbolo ou diagrama utilizado na prática de meditação.

Yantra Chintamani: tratado tântrico sobre o traçado dos yantra.

Yantramantra dhyána: técnica de meditação que utiliza a contemplação de sons e imagens combinadamente.

Yasháswiní: uma das principais nádí, que vai desde o centro do corpo sutil, chamado kanda, até o

ouvido esquerdo.

Yoga: união. “A unidade da respiração, a consciencia e os sentidos, seguida pela aniquilação de todos os conceitos: isso é o Yoga.” Maitrí Upanishad, VI: 25. “Yoga é a supressão da instabilidade da consciência.” 

Patañjali.

Yogabháshya: o mais célebre comentário do Yoga Sútra, atribuído a Vyása.

Yogadanda: bastão de meditação,utilizado para interromper o fluxo de prána por idá e pingalá.

Yogadandásana: nome de um ásana de torção.

Yoganidrá: sono do yogin. Estado de consciencia que se situa entre o sono profundo e a meditação; sétima parte do ády ashtangá sádhana.

Yogapáda: a senda do Yoga.

Yogásana: nome de um ásana de anteflexão.

Yogi: referente ao Yoga.

Yogin ou Yogi: praticante de Yoga.

Yoginí: praticante de Yoga do sexo feminino.

Yoní: vulva, órgão gerador feminino.

Yonílinga: a união do princípio feminino com o masculino.

Yuga: idade, era cósmica. Ciclo completo de nascimento, vida e destruição do Universo. As eras são quatro: krita (de ouro), treta (de prata), dwápara (de bronze) e kali (de ferro). No final desde quatro ciclos acontece o mahapralaya, a destruição final do Universo.

Yuj ou yug: unir, atrelar, juntar. Raiz da palavra Yoga.

Yukta: unido. Aquele que atingiu a libertação do samádhi.


 Prakriti Yoga São Caetano do Sul - formação em yoga e aulas para iniciantes

GLOSSÁRIO SÂNSCRITO TÉCNICO.doc GLOSSÁRIO SÂNSCRITO TÉCNICO.doc
Tamanho : 141 Kb
Tipo : doc